The news is by your side.

“O melhor café é o capixaba!”

CAFÉ capixaba disputa e ganha prêmios em nível nacional e ganha cada vez mais espaço em escala internacional.

 

A cafeicultura é a principal atividade agrícola do Espírito Santo, desenvolvida em quase todos os municípios capixabas. Gera em torno de 400 mil empregos diretos e indiretos e está presente em dois terços das 90 mil propriedades agrícolas do Estado.

O Espírito Santo é o 2º maior produtor brasileiro de café, com expressiva produção de arábica e conilon. É responsável por 25% da produção brasileira, em média. Atualmente, existem 432.508 hectares em produção no Estado, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A atividade cafeeira corresponde a 43% do Produto Interno Bruto (PIB) agrícola capixaba.

A produção de café está em todas as regiões do Estado de maneira bastante diversificada, começando pelas espécies cultivadas. A cafeicultura capixaba é praticada em diferentes altitudes, sendo o arábica mais cultivado em regiões de temperaturas mais baixas e altitudes acima de 500 metros, enquanto o conilon é característico de regiões mais quentes, normalmente plantado abaixo de 500 metros de altitude.

Arábica

O café arábica é a principal fonte de renda em 80% das propriedades rurais capixabas localizadas em terras frias e montanhosas. O Espírito Santo é o terceiro maior produtor de arábica do Brasil, ficando atrás apenas dos estados de Minas Gerais e São Paulo. Atualmente, existem 166.043 mil hectares de café arábica no Espírito Santo espalhados por 48 municípios capixabas. Estima-se que a produção envolva 53 mil famílias. A cafeicultura de arábica gera em torno de 150 mil empregos diretos e indiretos.

Os maiores produtores capixabas de café arábica são os municípios de: Brejetuba, Iúna, Vargem Alta, Ibatiba, Muniz Freire, Irupi, Afonso Claudio, Domingos Martins, Ibitirama, Castelo, Mimoso do Sul, Santa Teresa.

Conilon

O Espírito Santo é o maior produtor de café conilon do Brasil, responsável por cerca de 70% da produção nacional. Somente o Estado é responsável por até 20% da produção desse tipo de café no mundo. O café conilon é a principal fonte de renda em 80% das propriedades rurais capixabas localizadas em terras quentes. É responsável por aproximadamente 30% do PIB agrícola capixaba. Atualmente, existem 266.465 hectares plantados de conilon no Estado. São 40 mil propriedades rurais em 63 municípios, com 78 mil famílias produtoras. O café conilon gera 250 mil empregos diretos e indiretos.

O Estado é considerado uma referência nacional, destacando-se também no cenário mundial, no desenvolvimento da cafeicultura do conilon, com uma produtividade média que já alcançou 35 sacas por hectare (sc/ha). Muitos produtores chegam a colher mais de 100 sc/ha.

Os maiores produtores de café conilon do Espírito Santo são os municípios de:  Jaguaré, Vila Valério, Nova Venécia, Sooretama, Linhares, Rio Bananal, São Mateus, Pinheiros, Governador Lindenberg, Boa Esperança, Vila Pavão, São Gabriel da Palha, Colatina e Marilândia.

Reconhecido internacionalmente, o café do Espirito Santo vem conquistando prêmios ao longo dos anos. Na Semana Internacional de Café (SIC), realizada no ano passado, entre as 400 amostras nas categorias Coffea arabica ou Coffea canephora (conilon/robusta) por agricultores de várias regiões do Brasil, os 1°, 2º, 3º e 5º lugares em conilon e o 1º e 2º lugares no arábica foram do Espírito Santo.

SECRETÁRIO de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Paulo Foletto.

Para o secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Paulo Foletto, o café do Espírito Santo faz parte da vida das pessoas:

“Café Capixaba! É vida capixaba, é marca do nosso Estado. Assim como a moqueca, o café faz parte de nossa vida cultural, social e econômica. Temos um café com sabor de norte a sul do Estado, com qualidade e produtividade. Sem contar a intensidade das pesquisas que aqui são realizadas e que possuem relevância nacional e internacional.

Aqui são realizados estudos a respeito do café conilon que nenhum outro país do mundo faz. É muito importante também destacar a produção de café arábica, que tem aumentado sua produção, elevando a cada dia seu patamar de qualidade.

É preciso ressaltar que hoje o café do ES está também na mão dos jovens, das novas gerações, que vem desenvolvendo, por meio de estudos acadêmicos e cursos voltados ao café, um cenário que vem valorizando um produto ligado a quase meio milhão de capixabas que atuam na cafeicultura.

O café capixaba disputa e ganha prêmios em nível nacional e ganha cada vez mais espaço em escala internacional. É um produto que nós temos que valorizar! O café capixaba é uma marca que será trabalhada na Secretaria de Agricultura e que transcenderá esse governo, porque nosso café é histórico, cultural, econômico, social. É uma conquista de todos aqui do Estado. Por isso é que a gente tem que, cada vez mais, abraçar a marca do ‘Café Capixaba!’”, afirma.

O pesquisador e coordenador técnico de Cafeicultura do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Abraão Carlos Verdin Filho, lembra que a instituição tem um papel importante na conquista desses resultados:

“O Incaper repassa orientações ao produtor, que, uma vez utilizando essas técnicas, ele consegue êxito na produção e, consequentemente na qualidade do café, que é o produto final que o consumidor precisa. O café do Espírito Santo era tido como de pior qualidade. Trabalhamos seriamente em cima disso e, nos últimos anos, o café do Estado tem sido premiado em todos os rankings nacionais.

Se fala que a Colômbia tem os melhores cafés do mundo, eu digo que não é bem assim. O Espírito Santo tem cafés iguais ou melhores do que o da Colômbia. Temos microclimas e condições de produzir cafés especiais em várias regiões do Estado, seja arábica ou conilon.

O Espírito Santo tem deslanchado na questão da qualidade e é visto como um Estado que produz café de excelência. Temos tecnologia e técnicos preparados para orientar os produtores de forma que, produzir café de qualidade hoje no Espírito Santo, está virando rotina e muitos produtores tem alcançado isso”, comenta.

O Estado já chegou a produzir 13 milhões de sacas de café (arábica + conilon) em um ano. A maior produção de conilon foi de em torno de dez milhões de sacas em 2014. Já a maior produção de arábica deve acontecer nesta safra 2018/2019, cuja produção deve alcançar 4,5 milhões de sacas.

você pode gostar também
Comentários
Loading...